Encontre o que deseja mais rapidamente!
Digite o nutriente, alimento, doença ou assunto que deseja saber:

Nefrite

Descrição
A nefrite é causada pela inflamação dos glomérulos renais (parte responsável pela filtragem nos rins), inflamação essa geralmente provocada a partir de algum fenômeno imunológico (ou seja, uma tentativa de nosso corpo de defender-se de algo).

A nefrite é um problema que deve ser encarado com seriedade, pois é responsável por 50% das doenças renais. A nefrite ocorre quando uma substância estranha entra na circulação e é levada aos setores de defesa do nosso corpo (na seção Causas da Nefrite detalharemos mais sobre isso 😉 ).

De acordo com o nível de gravidade do problema, há dois tipos de nefrite: a aguda e a crônica. No primeiro caso, por ser uma manifestação mais branda da doença, há uma tendência para a recuperação espontânea do doente. Já na forma crônica, onde a doença encontra-se num estado mais agravado, ocorrendo assim a lesão progressiva dos glomérulos renais (em outras palavras, seus rins vão sendo destruídos aos poucos!).

No Brasil, a nefrite crônica é a causa mais comum da insuficiência renal crônica, causando uma enfermidade terminal nos rins, a qual habitualmente termina em diálise (diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo).

Além da classificação quanto ao nível de gravidade, podemos classificar também segundo a região afetada:

  • Glomerulonefrite –é o tipo mais comum de nefrite, decorrente da precipitação do complexo antígeno-anticorpo sobre o glomérulo, o que leva à inflamação e lesões do mesmo. Vale ressaltar mais uma vez que o glomérulo é a parte do rim responsável pela filtragem, logo essa lesão irá afetar diretamente a capacidade do rim de filtrar as impurezas de nosso corpo. Aqui, a doença também é conhecida como síndrome nefrítica ou síndrome nefrótica;
  • Nefrite lúpica – aqui, a parte afetada também é o glomérulo (tanto é que esta doença também é chamada glomerulonefrite lúpica) em pacientes com lúpus erimetatoso sistêmico (idiopático);
  • Vasculite – quando o complexo antígeno-anticorpo vai parar na corrente sanguínea, indo instalar-se nos vasos sanguíneos;
  • Nefrite tubulointersticial – diz-se da nefrite quando a inflamação ocorre no tubulointersticial. A causa mais comum da nefrite tubulointersticial em sua forma aguda é por meio da ingestão de algum medicamento que desencadeie uma reação alérgica ou mesmo intoxicação. Certas formas de cancro, leucemia, linfoma, algumas doenças hereditárias e a pielonefrite (infecção bacteriana dos rins) pode levar a esse quadro ou mesmo agravá-lo. Já a forma crônica é mais facilmente contraída devido ao uso prolongado de medicamentos e/ou certas substâncias tóxicas,

Sintomas

  • Presença ou não de dores abdominais e febre;
  • Redução no volume da urina e presença de sangue na mesma (constatada pela cor avermelhada);
  • Elevação da pressão arterial (hipertensão arterial);
  • Presença de edemas (inchaço em uma região do corpo ou de um orgão causado pelo acúmulo anormal de líquidos naquela região), principalmente nos olhos e/ou nas pernas;
  • Fadiga extrema e falta de disposição (devido à perda de energia importante para o desempenho de suas atividades);
  • Dificuldade para dormir;
  • Perda de apetite, náuseas e vômitos;
  • Prurido e pele seca;
  • Cãibras, especialmente à noite.

A falta de dores abdominais e febre pode levar o doente a não perceber a situação em que se encontra até que seja tarde demais, sendo assim, é muito importante prestar atenção ao corpo a fim de saber se algum dos outros sintomas manifesta-se! Caso apresente um ou mais sintomas, uma visita a um nefrologista deve ser feita – lembre-se, prevenir é sempre melhor que remediar.

Causas da Nefrite

Uma das principais causas da nefrite são as infecções provocadas por qualquer microorganismo que forme um complexo conhecido como antígeno-anticorpo, que acaba indo parar no rim. Malária, tifo, salmonela, toxoplasmose, herpes e outros vírus e bactérias podem causar tais infecções.

Não somente as infecções são responsáveis pela nefrite, mas também o uso inadequado de antibióticos e antiinflamatórios, medicamentos contendo lítio, ouro ou captopril, que são capazes de liberar antígenos, desencadeando assim a formação de complexos antígeno-anticorpo. Esse quadro acontece com maior freqüência em diabéticos.

Outro fato a se observar é que pacientes que eram portadores de doença crônica nefrítica, quando recebem um transplante de rim, pode novamente desenvolver a doença no novo rim.

Segundo o Manual Merck (muito bom, por sinal, você encontra o link para o mesmo na seção Referências Bibliográficas deste artigo – abra uma nova janela, entre nele e leia, mas não deixe de nos visitar, hein? 😉 ), as principais causas que podem levar à nefrite são:

  • Doenças
    • Amiloidose;
    • Câncer;
    • Diabetes;
    • Glomerulopatias;
    • Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV);
    • Leucemias;
    • Linfomas;
    • Gamopatia monoclonal;
    • Mieloma múltiplo;
    • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Medicamentos e Drogas
    • Analgésicos similares à aspirina;
    • Ouro;
    • Heroína administrada pela via intravenosa;
    • Penicilamina;
  • Alergias
    • Picadas de insetos;
    • Hera venenosa;
    • Toxicodentro venenoso;
    • Luz solar.

Diagnóstico da doença

Caso algum dos sintomas seja apresentado, é importante que a pessoa visite um nefrologista, que poderá encaminhar-lhe aos devidos exames laboratoriais a serem feitos.

Exames de sangue e urina podem ser empregados a fim de analisar a quantidade de sais minerais, proteínas e sangue presentes neste ou naquele e, assim, detectar o possível mau funcionamento do rim bem como diagnosticar qual a gravidade do problema.

Outra possibilidade é a biópsia, processo pelo qual, sob anestesia local, um pedaço do tecido do rim é removido (calma, é utilizada uma agulha especial para isso, não um cutelo de açougueiro! 🙂 ) para um diagnóstico não somente mais exato, mas também uma melhor avaliação do ritmo de progresso da doença, bem como o tratamento a ser seguido.

Mais uma vez, o nefrologista é o profissional certo para melhor diagnosticar e indicar o devido tratamento para a nefrite.

Prevenção da Nefrite

Fique muito atento aos sinais que seu corpo podem usar para demonstrar-lhe que algo está anormal em seu corpo, principalmente quanto à pressão alta, obesidade, diabetes ou qualquer tipo de inchaço. Além disso, cuidado com o tabagismo e o estresse.

Além disso, certifique-se quanto à presença de casos dessa doença em outros familiares e aumente ainda mais os cuidados caso você mesmo já tenha sido alvo dessa doença.

Além disso, evite consumir remédios sem orientação médica.

Tratamento da Nefrite

No caso das nefrites agudas repouso e algum cuidado quanto ao excesso de água e sal são suficientes. Além disso, se a nefrite foi causada por alguma infecção e a mesma ainda está presente no organismo, o uso de um antibiótio adequado é importante.

Já no caso da nefrite crônica, as lesões presentes nos rins agravam a situação, levando à necessidade de maiores cuidados. Cortisona e outras drogas têm sido utilizadas, embora este tratamento na maioria das vezes não seja bem sucedido. Dietas com restrição de proteína, potássio e sal são importantes aqui e a supervisão do médico é necessária a fim de evitar maiores complicações da enfermidade renal.

Além disso, em ambas as formas de nefrite o controle da pressão aterial (que geralmente tende a elevar-se) é importante, a fim de evitar acelerar a perda das funções do rim. Diuréticos podem ser empregados a fim de controlar o excesso de retenção de líquidos.

Em crianças, cerca de 90 a 95% dos casos de nefrite aguda são curados, já em adultos, esse número cai para 50%. Esta diferença se dá pelo fato de que, quando mais jovens, nossas células e tecidos possuem uma capacidade renegerativa maior. No caso da glomerulonefrite, a destruição do glomérulo vai ocorrendo de forma lenta e gradual. Deve-se lembrar o fato de que esta doença pode originar insuficiência renal crônica, uma lesão renal progressiva e irreversível, que pode levar a uma completa destruição das atividades do mesmo!

Referências Bibliográficas

Caso tenha interesse em estender seus estudos sobre essa doença (a fim de melhor prevenir-se ou ajudar alguém que tenha o problema a informar-se, por exemplo), indicamos os seguintes sites (que foram a base para a pesquisa realizada para este artigo):

ABC DA SAÚDE, Nefrite, disponível em http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?296

FUNDAÇÃO PRO-RENAL, Nefrite, disponível em http://www.pro-renal.org.br/renal_033.php

MERCK SHARP & DOHME, Manual Merck, disponível em http://www.msd-brazil.com/msd43/m_manual/mm_sec11_124.htm

MÍDIA & SAÚDE, Manual da Nefrite, disponível em http://midiaesaude.bs2.com.br/?action=mais&materia=226

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA, Diálise, disponível em http://www.sbn.org.br/Publico/dialise.htm